João Batista de Brito Cruz - Processo Criativo

Dando continuidade à serie de posts sobre o processo criativo, hoje trazemos um belo texto do compositor, saxofonista e pesquisador, João Batista de Brito Cruz. João também participa do Curto-Circuito através da EMESP.


PROJETO E PROCESSO COMPOSICIONAL


ESTRUTURA
A peça será para um duo de Sax alto e piano e procura representar em uma realidade acústica uma réplica mais (ou menos) livre da sonoridade da fala humana. 

ANÁLISES PRELIMINARES – REGRAS DO JOGO
Para tanto, é necessário o desvendamento sobre qual a lógica sonora (e não simbólica) qualitativa dos processos da fala. Quais são os intervalos típicos da entonação? A que entonação eles se referem? Qual as componentes rítmicas mais recorrentes nesse tipo de discurso? Como elas se articulam ou não com a entonação descoberta?
A partir dessas descobertas feitas em análises preliminares, estarão construídas uma série de leis (tomando esse termo em um sentido mais meigo) que permearão a peça toda, não como materiais, mas como regras de um jogo composicional.

1.    Exemplos de análise
Exemplo 1a. Análise espectral de perfil rítmico de uma frase. 
Frase: “Meu irmão tem medo do escuro” 

Resultante espectral geral da frase “meu irmão tem medo do escuro”

Separação dos fonemas em segundos aproximados
1)    MEU – 1,26’’ até 1,50’’ (0,24’’)
2)    IR – 1,5 até 1,72’’ (0,22’’)
3)    MÃO – 1,72’’ até 2,0’’ (0,28’’) – [ MÃ  = 0,18’’; O = 0,1’’]
4)    Pausa de 0,09’’ 
5)    TEM – 2,09’’ até 2,32’’ (0,23’’)
6)    ME – 2,32’’ até 2,45’’ (0,13’’)
7)    DOIS – 2,55’’ até 2,75’’ (0,2’’)
8)    CU – 2,75’’ até 2,925’’ (0,175’’)
9)    RO – 2,925’’ até 3,05’’ (0,125’’)

Desdobramento dos valores em aproximações rítmicas. 
Tentativa 1) Semínima está para 1 como colcheia para 0,5 e semicolcheia para 0,25, etc.
Valores a serem alcançados: 0,09; 0,125; 0,13; 0,175; 0,2; 0,22; 0,23; 0,24; 0,28.

0,9 semelhante à semifusa pontuada – 1/16 + 1/32 = 0,0925    
0,125 e 0,13 semelhantes à fusa – 1/8 = 0,125    
0,175 semelhante à fusa pontuada – 1/8 + 1/16 = 0,1875    ou à tercina de semicolcheia – [1/4] x 1/3 = 0,16    
0,2 e 0,22 semelhante à fusa duplamente pontuada – 1/8 + 1/16 + 1/32 = 0,21875    
0,23 e 0,24 semelhante à semicolcheia – ¼ = 0,25    
0,28 semelhante à tercina de colcheia em staccato tenuto – 1/3 – aprox. 0,05 = aprox. 0,28

Assim:

Exemplo 1b. Análise espectral de perfil melódico da mesma frase

 

    - 1º passo: Expor complexidade espectral. 

1. MEU- B2 glissando até E3 ou seja: B2, C3, C#3, D3, D#3, E3.      
2. IR – E3, Eb3, F3. Bb2, D3, C#3, C3.    
3. MÃO – C3 até F#3.     
4. TEM – F3 e E3    
5. ME -  Simultaneidade de três movimentos: F3-E3 C#3-D3 e Bb2-D3
6. DOIS – E3-Eb3.    
7. CU – F#3, D3, C#3, B2.    
8. RO – B2, Bb2.

A transposição quinta acima desses âmbitos somada a eles compreende mais que suficientemente sua complexidade. 

Redução para 1 nota por fonema.

 

Redução para duas ou mais notas por fonema.

 

DESDOBRAMENTO DA ANÁLISE EM MÚSICA
São dados alguns cenários acústicos relativos à sonoridade da fala que funcionarão, como veremos, como forma da peça. Esses cenários são três, relacionados diretamente com o conceito de Charles S. Peirce de categorias universais (primeiridade, secundidade terceiridade): 
1) a fala nela mesma – o uníssono remático antes de uma articulação reativa com um existente. Quali.
2) a pergunta e a resposta – possibilidade responsorial na qual há uma articulação entre duas falas e um eco de uma primeira em uma segunda sucessivamente. Como possibilidade contrapontística, quando uma pergunta é feita, ela não deixa de existir enquanto gesto, pois a memória de sua existência gera sua resposta. Sin.
3) a multidão – sobreposição de inúmeras falas, tornando-se indiscernível a compreensão de uma linha ou outra. Poeticamente e musicalmente, essa realidade assemelha-se aos complexos motetos renascentistas ou à qualquer leitura de multidão como realidade desordenada. Legi – geral.
Esses três cenários articularão-se entre si sem uma cesura definida, mas em um fluxo onde um transformar-se há no outro numa ordem ainda não definida. É possível dizer, porém, que há uma fuga da ordem 1-2-3, já que essa resultaria numa direcionalidade óbvia que deriva de uma proposição muito diacrônica de fruição. Assim, misturar esses cenários na medida do possível é, ao mesmo tempo, negar uma ilusão de fruição diacrônica do tempo, articulando-o com a sincronicidade real.